Publicado em 26/08/2017 - 03:18

Intolerância, liberdade de expressão e racismo são tema de debate. Isso tem solução?



Os EUA foram palco de mais um ato de intolerância e racismo quando ativistas da supremacia branca se revoltaram com a retirada de um símbolo da resistência do regime escravo no estado da Virgínia. Esses ativistas defendem preconceitos como o racismo e a homofobia tão combatidas atualmente, porém nos EUA a liberdade de expressão é respeitada, mesmo que em defesas de causas absurdas.

Ouça o debate e dê a sua opinião!

Neste áudio, a turma da Rádio Bonfim e o professor Bruno de Artes falam sobre o caso que deve ser debatido e principalmente combatido.

 

Entenda o caso: Charlottesville e retirada de estátua

A cidade de Charlottesville, que tem pouco mais de 50 mil habitantes, foi escolhida como palco dos protestos após anunciar que pretende retirar uma estátua do general confederado Robert E. Lee de um parque municipal.

O general Lee comandou as forças da Virgínia na Guerra Civil Americana (1861-1865), e chegou a general-em-chefe confederado. A Virgínia integrava os Estados Confederados — a união de seis estados separatistas do Sul dos Estados Unidos, durante esse conflito.
Esses estados buscaram a independência para impedir a abolição da escravidão. Mesmo após a derrota definitiva no conflito, Lee se tornou um símbolo dos movimentos de extrema-direita norte-americanos, que ainda hoje o lembram como um herói.

A remoção da estátua de Lee foi considerada como uma afronta pelos grupos de extrema-direita, que decidiram protestar. Atualmente, várias cidades americanas vêm retirando homenagens a militares confederados – o que tem gerado alívio, de um lado, e fúria, de outro.

Comente